Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Copom decide reduzir taxa Selic para 10,75% a.a. em meio a cenário volátil

Compartilhar a notícia

Foto por Agência Brasil

No centro das atenções econômicas globais, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Brasil anunciou uma decisão que reverberará nos mercados e nas perspectivas econômicas nacionais. Em meio à volatilidade do ambiente externo e aos debates acalorados sobre a flexibilização das políticas monetárias nas principais economias, o Copom optou por uma redução de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros, estabelecendo-a em 10,75% a.a.

Esta decisão, tomada por unanimidade pelos membros do Comitê, reflete uma análise cautelosa e estratégica diante de um contexto marcado por incertezas tanto domésticas quanto internacionais. A despeito da desaceleração da economia já antecipada pelo Copom, o ambiente permanece desafiador, com pressões nos mercados de trabalho e uma inflação que, embora em trajetória de desinflação, ainda apresenta sinais de resistência.

As projeções do Copom para a inflação, tanto para o curto quanto para o médio prazo, situam-se em torno de 3,5% em 2024 e 3,2% em 2025. Contudo, o Comitê ressalta a existência de fatores de risco que podem influenciar essas projeções em ambas as direções. Riscos de alta incluem uma persistência das pressões inflacionárias globais e uma resiliência na inflação de serviços além do projetado, enquanto riscos de baixa contemplam uma desaceleração mais acentuada da atividade econômica global e impactos mais fortes do que o esperado do aperto monetário sincronizado sobre a desinflação global.

A conjuntura atual exige, portanto, serenidade e moderação na condução da política monetária. O Copom enfatiza a importância da execução das metas fiscais para a ancoragem das expectativas de inflação, o que, por sua vez, influencia diretamente a condução da política monetária. Além disso, o Comitê reforça a necessidade de perseverar com uma política contracionista até que se consolide não apenas o processo de desinflação, mas também a reancoragem das expectativas em torno das metas estabelecidas.

É importante ressaltar que a magnitude total do ciclo de flexibilização ao longo do tempo dependerá da evolução da dinâmica inflacionária, das expectativas de inflação, do hiato do produto e do balanço de riscos. O Copom comunica ainda que, mantido o cenário esperado, antecipa uma redução de mesma magnitude na próxima reunião.

Assim, a decisão do Copom não apenas busca conduzir a inflação para o redor da meta estabelecida, mas também visa a suavizar as flutuações do nível de atividade econômica e fomentar o pleno emprego. Em um contexto global desafiador e com cenários incertos, a estratégia do Copom é clara: cautela, flexibilidade e compromisso com a estabilidade econômica e o alcance das metas de inflação.

Redação do VGV com informações do Banco Central

___

Como acompanhar os principais indicadores do mercado imobiliário?

Se você que saber os principais índices do mercado imobiliário, assine gratuitamente o Boletim VGV, nossa newsletter quinzenal com as principais atualizações do setor.

Caso você seja dono de incorporadora e esteja buscando agência de marketing imobiliário para construtoras e incorporadoras, temos soluções específicas para lhe apoiar em seus negócios imobiliários. Fale com nosso time.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV