Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Aluguel em São Paulo sobe 9,5% em 2023, mas alta é menor que em outras capitais

Compartilhar a notícia

Bairros mais caros ficam no Rio e em São Paulo; Leblon é o mais caro do país

Foto por Mara Martha Roberto

O preço cobrado pelo aluguel de imóveis residenciais subiu 9,5% no ano passado em São Paulo, segundo o Índice de Aluguel QuintoAndar Imovelweb, para uma média de R$ 59,82 por metro quadrado.

Nesse patamar, a locação de um apartamento de 50 metros quadrados na capital paulista, por exemplo, custaria R$ 2.991 ao mês.

O valor é o mais alto entre as seis capitais que compõem o índice, mas a variação foi a menor entre as cidades pesquisadas.

O maior incremento de preço ocorreu em Belo Horizonte, com alta expressiva de 22,9% no valor cobrado, de R$ 33,73. Logo atrás vem Curitiba, com alta de 21% no preço da locação, a R$ 36,43. No Rio de Janeiro, o aumento anual foi de 14,1%, com preço médio cobrado de R$ 39,09.

Os bairros de São Paulo que mais tiveram aumento de preço foram A Vila Pompéia, com alta de 32,6%, a Lapa (28,7%) e a Vila Constança, na Zona Norte (28,4%).

Já os que mais desvalorizaram, segundo o índice do QuintoAndar ImovelWeb, foram Alto de Pinheiros e Sítio do Mandaqui (Zona Norte), ambos com queda de 9,3%.

O bairro mais caro para se alugar em São Paulo, no ano passado, foi a Vila Olímpia, com média de R$ 95,30. A esse valor, o apartamento de 50 metros quadrados custaria R$ 4.765 ao mês.

O valor é alto, mas é no Rio que está o bairro com o preço mais caro cobrado pelo aluguel no país, e um recorde para o indicador. Foi a primeira vez que uma região ultrapassou a marca de R$ 100 cobrados pelo metro quadrado. Isso ocorreu com o Leblon, onde morar de aluguel custa, em média, R$ 106,40 por metro quadrado — o apartamento de 50 metros quadrados sairia por R$ 5.320 mensais.

Alta taxa de juros

“A alta taxa de juros, que perdurou até agosto acima da casa dos 13%, fez com que muitas pessoas deixassem o sonho da casa própria de lado. Isso aqueceu ainda mais a demanda pelo aluguel e puxou os preços para cima”, afirma o gerente de dados do grupo QuintoAndar, Thiago Reis.

No entanto, metade das cidades pesquisadas tiveram aumento percentual no preço da locação menor do que em 2022.

A diferença entre o preço pedido pela locação e o valor efetivamente contratado caiu nas cidades analisadas, o que aponta para o aquecimento do mercado, segundo Reis.

Em São Paulo, essa diferença de valores foi de 3,7%, recuo de 0,1 ponto percentual em um ano. No Rio, ficou em 2,6%, queda de 0,2 ponto.

Redução da taxa de juros

Neste ano, a continuidade da redução da taxa de juros deve fazer com que o número de transações de compra e venda de imóveis cresça, e o impacto na dinâmica da locação precisa ser acompanhado, afirma Reis. Os proprietários de unidades para locação, que tiveram um 2023 muito rentável, devem prestar atenção às variações de preço e demanda.

O Ivar (Índice de Variação de Aluguéis Residenciais), da FGV, também avançou em 2023, em 7,46% na média nacional. O índice avalia preços de quatro capitais brasileiras.

São Paulo também registrou a menor alta entre as cidades pesquisadas no Ivar, de 4,89%, e Belo Horizonte a maior, de 11,53%. O Rio reportou aumento de 8,27%, seguido por Porto Alegre, com 7,73%.

Já o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), que tem uma cesta ampla de produtos, mas é muito usado para corrigir contratos de locação, acumulou queda de 3,18% em 2023.

Fonte: Valor Econômico

___

Fique bem informado sobre o mercado imobiliário através do canal do Portal VGV no WhatsApp. Siga já e receba nosso conteúdo em primeira mão: https://whatsapp.com/channel/0029Va8dBp9LI8YX1F7tpl22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV