Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,50% (08/Maio/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,66% (07/Maio/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,38% (21/Maio/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,02% (23/Abril/2024) | IGP-M 0,31% (29/04/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,63% (23/Abril/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,59% (27/Mai/2024) | INCC-DI +0,52% (08/Maio/2024) | IVAR +1,40% (07/Maio/2024) |

Taxa de juros está perto de cair?

Compartilhar a notícia

Será que a taxa de juros está perto de cair? Entenda o atual momento da Selic e o que tem falado a nossa autoridade monetária a respeito.
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central. Foto: Marcelo Camargo, Agência Brasil. Taxa de juros está perto de cair?

Será que a taxa de juros está perto de cair? Entenda o atual momento da Selic e o que tem falado a nossa autoridade monetária a respeito.

Um momento que vem sendo aguardado ansiosamente por muitos é a queda da taxa de juros. Mas, afinal, quando a Selic vai começar a cair? E quando, efetivamente, a queda da Selic vai ser refletida nas taxas oferecidas pelos bancos, ou seja, quando as taxas de juros do financiamento imobiliário vão cair?

Não são poucos os que estão se fazendo esta pergunta. Com a Selic sendo mantida a 13,75% ao ano há várias reuniões seguidas do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), somada à escassez de linhas de crédito imobiliário atreladas à poupança, o custo de captação dos bancos têm ficado mais alto e, com isso, as taxas de juros do financiamento imobiliário oferecidas aos clientes finais também passaram por elevações e hoje já operam na casa dos dois dígitos.

Com isso, as negociações envolvendo a compra e a imóveis têm reduzido o ritmo, haja vista que taxa de juros mais alta significa maior valor da parcela e, em alguns casos, menos valor liberado para o banco para o cliente.

Como esta semana teremos uma nova reunião do Copom, na qual o colegiado irá definir se mantém a taxa de juros no atual patamar ou se inicia o ciclo de cortes, começam a surgir as especulações e até mesmo as pressões sobre o BC. E por falar em pressão, além da pressão política exercida pelo Governo Federal (e, em particular, pelo presidente Lula), mais recentemente temos visto a pressão de setores produtivos da sociedade, como representado recentemente pela empresária Luiza Trajano, do Magalu, que publicamente engrossou o coro por juros mais baixos.

Há espaço para queda da taxa de juros?

De acordo com o próprio presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a queda relevante de juros futuros está abrindo um espaço para início do corte da Selic, taxa básica de juros da nossa economia, porém “mais à frente”.

Em evento realizado no último dia 12 de junho, Campos Neto afirmou que “A curva de juros futuros tem tido queda relevante. Isso significa que o mercado está dando credibilidade ao que está sendo feito, o que abre espaço para atuação de política monetária à frente”, no entanto, na mesma fala complementou dizendo que o Banco Central precisa agir com “parcimônia” e que os juros não podem ser baixados de forma artificial, sob o risco de não se alcançar o resultado almejado.

Se a inflação está caindo, por que a Selic não caiu?

Os principais índices que acompanham a evolução da inflação têm registrado que a inflação está sim caindo. Dados divulgados recentemente pelo IBGE mostram que o IPCA (índice de preços ao consumidor amplo) mostra uma inflação acumulada de 3,94% nos últimos 12 meses. O IGP-M (índice de geral de preços – mercado), este calculado pela FGV, vem apresentando deflação e o acumulado dos últimos 12 meses está em -4,47%.

Apesar destes números, o presidente do Banco Central ponderou que apesar de estarem caindo, os núcleos de inflação, que desconsideram preços mais voláteis, seguem elevados no Brasil e em outros países da região, destacando que são “a parte mais preocupante” do atual cenário. Durante evento com profissionais do varejo, citou que o país provavelmente terá deflação em junho, mas depois o indicador de preços deve subir, fazendo com que a inflação fique entre 4,5% e 5% em 2023, conforme matéria veiculada no G1 Economia.

Além de todos estes dados acima, que são nacionais, é importante ter em mente que o Banco Central considera um cenário um pouco mais amplo, inclusive avaliando questões globais que podem afetar o controle da inflação domesticamente no Brasil.

A Selic vai cair na próxima reunião do Copom?

O Copom se reúne na terça e quarta-feira desta semana, dias 20 e 21 de Junho. Embora o presidente do Banco Central esteja dando sinais claros de que ainda é preciso cautela e, ao que tudo indica, não deve ser favorável à queda da Selic de forma imediata neste momento, é importante ressaltar que o comitê é composto por nove membros que tomam decisões técnicas baseadas em estudos aprofundados. Desta forma, não é possível afirmar com certeza se o Copom irá manter a Selic no atual patamar ou se iniciará um modesto ciclo de cortes.

O mais provável é que a Selic seja mantida em 13,75% ao ano e que o ciclo de cortes se inicie em Agosto, porém é preciso aguardar a votação.

Se a Selic cair, quando os juros do financiamento imobiliário vão baixar?

O movimento não é imediato e uma eventual queda da Selic – seja agora ou seja na próxima reunião do Copom – não indica necessariamente que os bancos irão reduzir as taxas de juros do financiamento imobiliário para o consumidor final. Isso acontece porque as taxas são definidas seguindo um critério que abrange o custo de captação (este sim muito influenciado pela Selic), custos de operação, proteção contra eventual inadimplência, impostos e taxas, além da margem de lucro.

Cada banco tem a sua matemática de custos para poder definir a sua taxa e isso depende não só do momento econômico, mas também do momento de que cada banco está. Dito isso, considerando o cenário mais macro é pouco provável que os bancos reduzam suas taxas de forma imediata. Claro que sempre há exceções e alguns bancos gostam de “puxar a fila” por diversos motivos (políticos, marketing, etc) quando o assunto é redução de juros (como é o caso da Caixa Econômica Federal), mas ainda assim é preciso observar se há espaço para este tipo de movimento.

Vale a pena comprar um imóvel agora com juros altos ou é melhor esperar?

Esta é uma pergunta feita com muita frequência ultimamente. Sobre este tema, recomendamos que leia o artigo Vale a pena comprar imóvel agora ou esperar os juros caírem? pois lá apresentamos reflexões mais profundas a respeito deste tema e damos dicas de como fazer um melhor negócio neste cenário atual.

O que significa taxa Selic?

A Selic é considerada a taxa básica de juros da nossa economia. Neste post nós explicamos em detalhes o que significa taxa Selic e para que serve.

Como ficar bem informado sobre os próximos movimentos da Selic?

Se você quer saber em primeira mão se a Selic vai cair, vai subir ou ser mantida no atual patamar, recomendamos que acesse o site do Banco Central do Brasil, que é a fonte oficial de informações a respeito do tema. Adicionalmente, você pode acompanhar o Boletim VGV, nosso painel com os indicadores mais relevantes para o mercado imobiliário. Uma ferramenta essencial para incorporadoras, imobiliárias, corretores de imóveis e investidores imobiliários. Aproveite para assinar gratuitamente.

Créditos da foto do post: Marcelo Camargo, Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Assine GRÁTIS e receba nossos conteúdos em seu e-mail

Últimas publicações

Veja mais

Em comparação a igual período em 2023, o INCC-M de maio 2024 registrou grande descompressão, pois a taxa anualizada em ...
Maiores altas de abril do valor pedido pelo aluguel residencial ocorreram em Fortaleza, Brasília, Florianópolis, Salvador e Curitiba ...
O IPCA de Abril de 2024 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) foi de 0,38% e ficou 0,22 ponto percentual ...
O Comitê de Política Monetária do Banco Central - COPOM - decidiu nesta quarta-feira (8 de Maio) amenizar o ritmo ...
Índice que monitora o preço do aluguel residencial, medido pelo IBRE da Fundação Getúlio Vargas, mostrou incremento significativo em Abril. ...
Com discreta aceleração, o último relatório do Índice FipeZAP mostrou que o preço médio de venda de imóveis residenciais subiu ...
Foto por Charles de Luvio No cenário do mercado imobiliário, a observação atenta dos indicadores econômicos é crucial para entender ...
Foto por Scott Blake O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) revelou um panorama interessante para o ...
Foto por All Bong No panorama do mercado imobiliário comercial brasileiro, o último mês de março de 2024 trouxe uma ...
Foto por Amanda Lins O panorama econômico do mercado imobiliário permanece em destaque à medida que os índices econômicos continuam ...

Banca VGV