Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 11,25% (31/01/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,36% (01/Fevereiro/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,26% (20/Fev/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA -0,09% (27/02/2024) | IGP-M -052 (28/02/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,66% (27Fev/2024) | IPCA 0,42% (08/Fev/2024) | INCC-M +0,20% (26/Fev/2024) | INCC-DI +0,27% (06/02/2024) | IVAR 4,34% (07/02/2024) |

Rio de Janeiro pode enfrentar escassez de novos imóveis à venda com o mercado imobiliário em alta

Compartilhar a notícia

Publicidade

Foto por Antonella Vilardo 

O mercado imobiliário carioca experimentou um notável aquecimento em 2023, com um aumento significativo nas atividades de venda, revelou um levantamento conduzido pelo Sindicato da Construção Civil fluminense (Sinduscon-Rio). Apesar de um declínio de 16% no número de lançamentos em comparação com 2022, o ano registrou um aumento de 18% no volume de vendas de unidades residenciais.

Os dados oficiais da entidade indicam que, em dezembro de 2023, as vendas de habitações na capital fluminense dispararam, atingindo um crescimento de 50%. O Sinduscon-RJ expressa otimismo para 2024, destacando a redução da taxa de juros como um fator contribuinte para o cenário promissor.

No entanto, o presidente do Sinduscon-Rio, Claudio Hermolin, ressalta uma potencial escassez de estoque de imóveis na cidade devido à ausência de novos lançamentos nos últimos seis meses. Ele alerta que, se a tendência de vendas persistir sem novos lançamentos, o estoque imobiliário carioca pode ser esgotado em breve.

Diante desse cenário, o mercado de imóveis usados surge como uma alternativa viável. Com localizações muitas vezes tão privilegiadas quanto as dos lançamentos, o mercado de imóveis secundário, especialmente nas áreas da Zona Sul e Tijuca, está experimentando um aumento significativo nas vendas.

Corretores, como Lucy Dobbin da Sergio Castro Imóveis, apontam para a vantagem dos imóveis usados, destacando plantas mais atrativas e preços substancialmente mais acessíveis em comparação com os novos lançamentos. Um exemplo citado é um apartamento na Prudente de Morais, com 170m² e 2 vagas, vendido por R$ 2.600.000,00, enquanto um lançamento próximo atinge incríveis R$ 40.000,00 por metro quadrado. A disparidade de preços levanta questionamentos sobre a viabilidade para muitos consumidores.

Fonte: Diário do Rio

___

Fique bem informado sobre o mercado imobiliário através do canal do Portal VGV no WhatsApp. Siga já e receba nosso conteúdo em primeira mão: https://whatsapp.com/channel/0029Va8dBp9LI8YX1F7tpl22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Uso do FGTS futuro pode dar um novo impulso no mercado imobiliário, facilitando a aquisição de imóveis e beneficiando empresas ...
Descobertas recentes mostram que os consumidores estão abertos a receber anúncios. No mercado imobiliário, enfrentar desafios de direcionamento e custos ...
Medida visa atender demanda aquecida por financiamento habitacional e estimular crescimento ...
Valorização de Salas e Conjuntos Comerciais Destaca-se em Diversas ...
Publicidade O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) apresentou um incremento de 0,20% em fevereiro, indicando uma ...
Publicidade Agência da Caixa Econômica Federal – Imagem: Reprodução (Internet) Durante uma reunião conduzida pelo SindusCon-SP e Secovi-SP em 22 ...
Segmento de Luxo e Superluxo Impulsiona Mercado Imobiliário da Capital Paulista, Revela Pesquisa Exclusiva da ...
Em 2024, o mercado imobiliário apresenta preços em alta e oferta limitada, desafiando compradores em busca de oportunidades promissoras....
Mercado imobiliário em São Paulo projeta crescimento em 2024 impulsionado por fatores econômicos favoráveis e mudanças ...
Apesar da alta nos descontos, o número de pessoas que planejam comprar um imóvel recuou. A expectativa para o segundo ...

Banca VGV