Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,50% (08/Maio/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,74% (05/Junho/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,38% (21/Maio/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,25% (28/Maio/2024) | IGP-M 0,31% (29/04/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +1,11% (28/Maio/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,59% (27/Mai/2024) | INCC-DI +0,86% (07/Junho/2024) | IVAR +0,21% (06/Junho/2024) |

Mercado Imobiliário de São Paulo em 2023: Lançamentos caem, Minha Casa Minha Vida cresce e preços sobem

Compartilhar a notícia

No cenário do mercado imobiliário paulistano em 2023, observa-se uma situação peculiar: enquanto os lançamentos imobiliários em geral registraram uma redução, as unidades do programa Minha Casa, Minha Vida experimentaram um notável aumento. De acordo com estatísticas divulgadas pelo Secovi-SP, essa disparidade tem sido objeto de análise e discussão, uma vez que impacta diretamente no panorama habitacional da cidade.

Lançamentos e Vendas:

Em 2023, São Paulo testemunhou um total de 73.249 lançamentos imobiliários, marcando uma redução de 3% em comparação com o ano anterior. No entanto, o segmento do Minha Casa, Minha Vida surpreendeu ao registrar um aumento de 17% nos lançamentos, representando 50% do total de novas unidades na capital.

Apesar da diminuição nos lançamentos, as vendas de unidades habitacionais experimentaram um incremento significativo de 10% durante o mesmo período. Com um total de 76.145 unidades comercializadas ao longo do ano, sendo 47% delas do programa Minha Casa, Minha Vida, o mercado imobiliário paulistano consolidou um faturamento de R$ 43,9 bilhões em vendas, indicando um crescimento substancial de 26% em relação ao ano anterior.

Causas e Reflexões:

Ely Wertheim, presidente executivo do Secovi-SP, aponta para uma série de fatores que podem explicar essa conjuntura. Entre eles, destacam-se as recentes alterações nas leis de Zoneamento e Plano Diretor, bem como a incerteza gerada pela mudança de governo federal no início de 2023. Esses elementos contribuíram para uma redução na oferta de novos empreendimentos, impulsionando, por sua vez, o aumento dos preços.

Wertheim salienta que a demanda por habitação em São Paulo supera atualmente a capacidade de produção estipulada pela legislação urbanística, resultando em uma queda nos lançamentos e uma elevação nos preços. Essa tendência, embora atípica, reflete a complexidade do mercado imobiliário e a interação entre fatores econômicos, políticos e regulatórios.

Perspectivas Futuras:

Diante do contexto apresentado, surge a necessidade de uma análise mais aprofundada sobre o impacto dessas tendências no acesso à moradia na cidade. O aumento dos preços e a escassez de novos empreendimentos podem potencialmente exacerbar a crise habitacional, tornando essencial uma abordagem holística e colaborativa por parte das autoridades e demais partes interessadas do setor.

Embora os desafios sejam consideráveis, as oportunidades de intervenção e inovação também são abundantes. O futuro do mercado imobiliário paulistano dependerá, em última instância, da capacidade de adaptar-se às mudanças e de promover políticas que garantam uma oferta habitacional acessível e sustentável para todos os cidadãos.

Fonte: O Globo

___

Fique bem informado sobre o mercado imobiliário através do canal do Portal VGV no WhatsApp. Siga já e receba nosso conteúdo em primeira mão: https://whatsapp.com/channel/0029Va8dBp9LI8YX1F7tpl22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) de maio de 2024 registrou variação de 0,21%, representando uma desaceleração em relação à ...
Entre as capitais, maiores altas dos preços dos imóveis residenciais ocorreram em Curitiba, Goiânia, Maceió, Salvador e ...
Valorização do valor do aluguel comercial também abrangeu preços de venda, que apresentaram a maior variação desde ...
Em comparação a igual período em 2023, o INCC-M de maio 2024 registrou grande descompressão, pois a taxa anualizada em ...
Maiores altas de abril do valor pedido pelo aluguel residencial ocorreram em Fortaleza, Brasília, Florianópolis, Salvador e Curitiba ...
O IPCA de Abril de 2024 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) foi de 0,38% e ficou 0,22 ponto percentual ...
O Comitê de Política Monetária do Banco Central - COPOM - decidiu nesta quarta-feira (8 de Maio) amenizar o ritmo ...
Índice que monitora o preço do aluguel residencial, medido pelo IBRE da Fundação Getúlio Vargas, mostrou incremento significativo em Abril. ...
Com discreta aceleração, o último relatório do Índice FipeZAP mostrou que o preço médio de venda de imóveis residenciais subiu ...
Foto por Charles de Luvio No cenário do mercado imobiliário, a observação atenta dos indicadores econômicos é crucial para entender ...

Banca VGV