Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Construção civil deve crescer 1,3% em 2024, após queda de 0,5% neste ano

Compartilhar a notícia

Desafios econômicos impactam a construção brasileira, que projeta encerrar 2023 com queda de 0,5%, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) anunciou, em coletiva de imprensa online realizada nesta sexta-feira (8), a revisão das projeções para o desempenho da indústria da construção em 2023. De acordo com os dados apresentados, a expectativa inicial de crescimento de 2,5% foi revista para uma queda de 0,5%. A economista da CBIC, Ieda Vasconcelos, atribui essa revisão ao impacto das altas taxas de juros dos últimos anos.

A desaceleração do setor no terceiro trimestre de 2023, com um recuo de 3,8% no PIB da construção em relação ao trimestre anterior, foi destacada como o pior resultado desde 2020. Além das altas taxas de juros, a CBIC apontou a demora no anúncio das novas condições do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, a incerteza do cenário macroeconômico e a redução de pequenas obras e reformas no início da pandemia de Covid-19 em 2020 como fatores contribuintes.

Para 2024, a previsão da CBIC é de um crescimento de 1,3%, impulsionado pela queda contínua das taxas de juros, pelo avanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e pelas expectativas positivas em relação ao mercado econômico com o novo ciclo do programa Minha Casa, Minha Vida.

Apesar da desaceleração, a construção civil continuou gerando empregos formais, com um aumento de 10,49% no número de empregos criados nos primeiros 10 meses de 2023. O setor respondeu por 14,23% do total de novos empregos formais gerados no país no mesmo período. No entanto, o presidente da CBIC, Renato Correia, alertou para o impacto do veto à desoneração da folha de pagamentos, que pode aumentar os custos para o setor.

Os dados do comércio varejista de materiais de construção e a produção de insumos indicaram uma desaceleração nas pequenas obras e reformas. As vendas do comércio varejista de materiais de construção caíram 3,0% de janeiro a setembro de 2023 em relação ao mesmo período do ano anterior.

A economista Ieda Vasconcelos expressou preocupação com a baixa taxa de investimentos no Brasil, fixada em 16,6% no terceiro trimestre de 2023, e destacou a importância de fortalecer a taxa de investimento para impulsionar o crescimento sustentado do setor.

A coletiva também abordou a perda significativa de recursos na caderneta de poupança (SBPE), uma das principais fontes de financiamento para a construção, que já registrou uma perda de cerca de R$ 81 bilhões de janeiro a outubro de 2023. A construção de unidades financiadas com recursos do SBPE teve uma queda de 32,70% nos primeiros 10 meses de 2023 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

O setor experimentou uma maior estabilidade nos custos em 2023, com um aumento de 3,10% no Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) de janeiro a outubro. No entanto, a economista destacou que o custo permanece em um patamar elevado, prejudicando o setor.

O presidente Renato Correia enfatizou a importância de atuar na derrubada do veto à desoneração, argumentando que o setor precisa de estímulos, especialmente diante das carências habitacionais, de saneamento e infraestrutura no país.

Apesar dos desafios, o setor da construção continua a ser uma peça fundamental na economia brasileira, gerando empregos e contribuindo para o desenvolvimento. A CBIC destaca a necessidade de políticas que incentivem o investimento e a retomada do crescimento sustentável do setor nos próximos anos.

Fonte: CBIC

Já deu uma olhada em nossa Banca?

Descubra os títulos mais populares sobre Marketing Imobiliário no Brasil, explore uma variedade de técnicas e otimize o processo de venda e locação de imóveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV