Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,50% (19/Junho/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,61% (05/Julho/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,25% (20/Junho/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,10% (22/Junho/2024) | IGP-M 0,81% (27/06/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +1,11% (26/Junho/2024) | IPCA 0,21% (10/07/2024) | INCC-M +0,93% (22/Junho/2024) | INCC-DI +0,71% (08/Julho/2024) | IVAR +0,61% (05/Julho/2024) |

Construção civil deve crescer 1,3% em 2024, após queda de 0,5% neste ano

Compartilhar a notícia

Desafios econômicos impactam a construção brasileira, que projeta encerrar 2023 com queda de 0,5%, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) anunciou, em coletiva de imprensa online realizada nesta sexta-feira (8), a revisão das projeções para o desempenho da indústria da construção em 2023. De acordo com os dados apresentados, a expectativa inicial de crescimento de 2,5% foi revista para uma queda de 0,5%. A economista da CBIC, Ieda Vasconcelos, atribui essa revisão ao impacto das altas taxas de juros dos últimos anos.

A desaceleração do setor no terceiro trimestre de 2023, com um recuo de 3,8% no PIB da construção em relação ao trimestre anterior, foi destacada como o pior resultado desde 2020. Além das altas taxas de juros, a CBIC apontou a demora no anúncio das novas condições do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, a incerteza do cenário macroeconômico e a redução de pequenas obras e reformas no início da pandemia de Covid-19 em 2020 como fatores contribuintes.

Para 2024, a previsão da CBIC é de um crescimento de 1,3%, impulsionado pela queda contínua das taxas de juros, pelo avanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e pelas expectativas positivas em relação ao mercado econômico com o novo ciclo do programa Minha Casa, Minha Vida.

Apesar da desaceleração, a construção civil continuou gerando empregos formais, com um aumento de 10,49% no número de empregos criados nos primeiros 10 meses de 2023. O setor respondeu por 14,23% do total de novos empregos formais gerados no país no mesmo período. No entanto, o presidente da CBIC, Renato Correia, alertou para o impacto do veto à desoneração da folha de pagamentos, que pode aumentar os custos para o setor.

Os dados do comércio varejista de materiais de construção e a produção de insumos indicaram uma desaceleração nas pequenas obras e reformas. As vendas do comércio varejista de materiais de construção caíram 3,0% de janeiro a setembro de 2023 em relação ao mesmo período do ano anterior.

A economista Ieda Vasconcelos expressou preocupação com a baixa taxa de investimentos no Brasil, fixada em 16,6% no terceiro trimestre de 2023, e destacou a importância de fortalecer a taxa de investimento para impulsionar o crescimento sustentado do setor.

A coletiva também abordou a perda significativa de recursos na caderneta de poupança (SBPE), uma das principais fontes de financiamento para a construção, que já registrou uma perda de cerca de R$ 81 bilhões de janeiro a outubro de 2023. A construção de unidades financiadas com recursos do SBPE teve uma queda de 32,70% nos primeiros 10 meses de 2023 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

O setor experimentou uma maior estabilidade nos custos em 2023, com um aumento de 3,10% no Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) de janeiro a outubro. No entanto, a economista destacou que o custo permanece em um patamar elevado, prejudicando o setor.

O presidente Renato Correia enfatizou a importância de atuar na derrubada do veto à desoneração, argumentando que o setor precisa de estímulos, especialmente diante das carências habitacionais, de saneamento e infraestrutura no país.

Apesar dos desafios, o setor da construção continua a ser uma peça fundamental na economia brasileira, gerando empregos e contribuindo para o desenvolvimento. A CBIC destaca a necessidade de políticas que incentivem o investimento e a retomada do crescimento sustentável do setor nos próximos anos.

Fonte: CBIC

Já deu uma olhada em nossa Banca?

Descubra os títulos mais populares sobre Marketing Imobiliário no Brasil, explore uma variedade de técnicas e otimize o processo de venda e locação de imóveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) de junho de 2024 apresentou um aumento de aluguéis residenciais em 0,61%, marcando uma ...
Cidades que lideraram valorização dos preços de locação de imóveis comerciais em maio incluíram Rio de Janeiro, Campinas, Florianópolis e ...
O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) de maio de 2024 registrou variação de 0,21%, representando uma desaceleração em relação à ...
Entre as capitais, maiores altas dos preços dos imóveis residenciais ocorreram em Curitiba, Goiânia, Maceió, Salvador e ...
Valorização do valor do aluguel comercial também abrangeu preços de venda, que apresentaram a maior variação desde ...
Em comparação a igual período em 2023, o INCC-M de maio 2024 registrou grande descompressão, pois a taxa anualizada em ...
Maiores altas de abril do valor pedido pelo aluguel residencial ocorreram em Fortaleza, Brasília, Florianópolis, Salvador e Curitiba ...
O IPCA de Abril de 2024 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) foi de 0,38% e ficou 0,22 ponto percentual ...
O Comitê de Política Monetária do Banco Central - COPOM - decidiu nesta quarta-feira (8 de Maio) amenizar o ritmo ...
Índice que monitora o preço do aluguel residencial, medido pelo IBRE da Fundação Getúlio Vargas, mostrou incremento significativo em Abril. ...

Banca VGV

treinamento para

incorporadoras
e construtoras

Nova turma

24 de julho de 2024

São Paulo

PROFISSIONALIZE SEUS LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS E ATINJA A MÁXIMA RENTABILIDADE