Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Aluguel residencial em alta: Imóveis de um dormitório lideram aumento de 0,85% em novembro

Compartilhar a notícia

Imóveis de um dormitório lideram alta, com Goiânia no topo do ranking

O mercado de aluguel residencial brasileiro acelerou em novembro, com o Índice FipeZAP registrando uma alta de 0,85%. O resultado representa uma aceleração em relação a outubro (+0,70%) e supera a variação acumulada do IPCA (4,68%).

A alta foi puxada pelos imóveis de um dormitório, que registraram uma valorização de 0,99%. Imóveis maiores, como os de três dormitórios, tiveram um aumento mais contido, de 0,55%.

Em 12 meses, o índice acumula alta de 15,02%, superando as variações acumuladas pelo IPCA (4,68%) e pelo IGP-M (-3,46%).

O preço médio do aluguel de imóveis residenciais no país foi calculado em R$ 42,12/m² em novembro, sendo que os imóveis de um dormitório registraram o m² mais caro, com média de R$ 54,03/m².

Goiânia foi a cidade com a maior alta do aluguel residencial em novembro, com 3,60%. Florianópolis (+2,60%) e Fortaleza (+2,48%) também registraram altas significativas.

Brasília foi a cidade com a menor alta do aluguel residencial em novembro, com -0,29%. São Paulo registrou alta de 0,57%.

Análise:

O aumento no preço do aluguel residencial em novembro pode ser explicado por uma série de fatores, incluindo a alta da inflação, a redução da oferta de imóveis disponíveis para locação e a demanda crescente por moradia.

A inflação, que vem registrando um ritmo acelerado nos últimos meses, pressiona os custos de manutenção dos imóveis, o que acaba sendo repassado para os inquilinos. Além disso, a redução da oferta de imóveis disponíveis para locação também contribui para a alta dos preços, já que há menos opções para os inquilinos. Por fim, a demanda crescente por moradia também é um fator que contribui para o aumento dos preços, já que há mais pessoas buscando um imóvel para morar.

É importante destacar que o aumento no preço do aluguel residencial pode impactar negativamente o orçamento das famílias, especialmente das famílias de baixa renda. Por isso, é importante que as autoridades públicas tomem medidas para conter a alta dos preços, como a expansão da oferta de imóveis disponíveis para locação e o aumento do poder de compra dos inquilinos.

Conclusão:

O mercado de aluguel residencial brasileiro segue em alta, com perspectivas de continuidade desse movimento em 2024. A inflação, a redução da oferta de imóveis e a demanda crescente por moradia são os principais fatores que devem continuar a pressionar os preços.

Notas:

  • O Índice FipeZAP de Locação Residencial, ao calcular os preços, não incorpora a correção dos aluguéis vigentes, proporcionando uma visão dinâmica da evolução da oferta e demanda por moradia ao longo do tempo.
  • A busca pela rentabilidade é uma constante, mas novembro de 2023 apresenta um quadro complexo. A razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda aponta para uma rentabilidade média de 5,64% ao ano. Imóveis de um dormitório lideram novamente, enquanto as capitais como Recife, Salvador e Goiânia mostram as maiores taxas de retorno.

Fonte: DataZap

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV