Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Copom decide por novo corte: taxa Selic atinge 11,75% e reflete cenário global desafiador

Compartilhar a notícia

Em meio à volatilidade externa e sinais de desaceleração nos EUA, o Copom opta por redução de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros, buscando ancorar inflação e suavizar flutuações na atividade econômica. Cenário doméstico mostra desinflação e expectativas cautelosas.
Copom decide por novo corte: taxa Selic atinge 11,75% e reflete cenário global desafiador

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou, em sua última decisão, uma redução de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros, estabelecendo-a em 11,75% ao ano. A escolha reflete a análise do ambiente externo, que, embora menos adverso que na reunião anterior, permanece volátil.

Cenário Global Desafiador

A decisão do Copom foi influenciada pelo arrefecimento das taxas de juros nos Estados Unidos, principalmente nos prazos mais longos, e por sinais incipientes de queda dos núcleos de inflação global, que ainda se mantêm elevados em diversas nações. A determinação dos bancos centrais das principais economias em promover a convergência das taxas de inflação para suas metas também foi destacada.

Cenário Doméstico e Expectativas

No contexto doméstico, os indicadores de atividade econômica estão em consonância com a desaceleração prevista pelo Copom. A inflação ao consumidor, especialmente as medidas de inflação subjacente, mantiveram uma trajetória de desinflação, aproximando-se da meta para a inflação. As expectativas de inflação para os anos de 2023, 2024 e 2025, conforme apuradas pela pesquisa Focus, giram em torno de 4,5%, 3,9% e 3,5%, respectivamente.

Projeções e Riscos

O Copom apresentou projeções para a inflação, situando-se em 4,6% em 2023, 3,5% em 2024 e 3,2% em 2025, com projeções para os preços administrados de 9,1%, 4,5% e 3,6%, respectivamente. O Comitê destaca a presença de fatores de risco em ambas as direções, tanto para alta quanto para baixa, reforçando a necessidade de cautela na condução da política monetária.

Decisão Atual e Perspectivas Futuras

Considerando a evolução do processo de desinflação, os cenários avaliados e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom optou por uma redução de 0,50 ponto percentual na taxa Selic, indicando que esse ritmo de redução pode se manter nas próximas reuniões, dependendo da dinâmica inflacionária, do hiato do produto e dos riscos envolvidos.

Votos e Cenário de Referência

A decisão contou com votos unânimes dos membros do Comitê, e as projeções do Copom foram baseadas em um cenário de referência que considera variáveis como taxa de câmbio, preço do petróleo e outras. A conjuntura atual, marcada por um processo desinflacionário mais lento e um cenário internacional incerto, demanda serenidade e moderação na condução da política monetária. O Copom reforça a necessidade de perseverar com uma política monetária contracionista até a consolidação do processo de desinflação e a ancoragem das expectativas.

Fonte: Banco Central

___

Fique atualizado com o melhor da central de conhecimento do mercado imobiliário! Conheça cursos exclusivos e as melhores publicações do setor na banca VGV.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV