Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Operação Urbana Bairros do Tamanduateí é sancionada e promete transformar a zona leste e sul de São Paulo

Compartilhar a notícia

Prefeito sanciona maior operação urbana em SP, beneficiando Ipiranga, Mooca e zonas sul e leste.

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), sancionou o projeto de lei que dá luz verde para a maior operação urbana em extensão na cidade. Batizada de Operação Urbana Bairros do Tamanduateí, a iniciativa abrange áreas das zonas leste e sul, incluindo bairros notáveis como Ipiranga, Mooca, Cambuci, Parque da Mooca, Vila Zelina e Vila Prudente. O objetivo é promover a verticalização, dobrar o número de moradores em duas décadas e angariar recursos para melhorias locais.

O projeto, que foi aprovado pelos vereadores em dezembro, estava em tramitação na Câmara Municipal por oito anos, desde a gestão de Fernando Haddad (PT), em 2015. A nova legislação cria a Operação Urbana Bairros do Tamanduateí e visa revitalizar a região, gerar empregos, renda, além de promover a reurbanização e impulsionar a política habitacional.

Entre as intervenções previstas, destacam-se obras de drenagem, a construção de 12 parques e a desativação do tamponamento do Rio Tamanduateí. A Prefeitura estima um investimento de R$ 2,85 bilhões em intervenções públicas ao longo de 20 anos. A execução dependerá de recursos municipais e, especialmente, da arrecadação nos leilões de 5,1 milhões de m² de créditos construtivos (Cepacs), necessários para as obras de verticalização na região.

O projeto foi alvo de críticas ao longo dos anos, com preocupações sobre possíveis impactos na atividade industrial, concessão de apartamentos grandes com mais de uma vaga de garagem “grátis” e o risco de desconsiderar a população vulnerável, como moradores de cortiços, que precisará de atendimento habitacional.

A Prefeitura, durante uma audiência pública em novembro, identificou alguns “pontos de atenção”, incluindo a necessidade de atualizar dados de demanda habitacional e do plano de mobilidade. Apesar das críticas, a administração municipal acredita que esses aspectos não impedirão o desenvolvimento da operação urbana.

A operação é dividida em perímetros de adesão, onde são captados recursos e há maior investimento, e de expansão. A maioria dos créditos construtivos a serem leiloados envolve bairros como Ipiranga, Mooca e Parque da Mooca. O cronograma e a priorização de obras serão definidos por um grupo gestor, composto por representantes do poder público e da sociedade civil.

A venda de 5 milhões de Cepacs, cada um ao preço de R$ 800, foi autorizada pelo projeto de lei sancionado, totalizando R$ 4 bilhões. O prefeito Nunes estima uma arrecadação de R$ 1,1 bilhão. A expectativa de arrecadação reflete as condições do mercado imobiliário entre 2019 e 2021, segundo a Prefeitura. A proposta permite a revisão do preço mínimo mediante avaliação de mercado pela São Paulo Urbanismo.

A operação urbana também prevê a destinação de 856 mil m² gratuitos para habitação de baixa renda. Esses Cepacs são necessários para áreas construídas que ultrapassem a metragem do terreno, com exceções como vagas de garagem para apartamentos de 30 m², entre outros incentivos.

São Paulo já conta com outras três operações urbanas ativas: Faria Lima, Água Espraiada e Água Branca. Essas operações foram responsáveis por significativas transformações e valorizações nas últimas décadas na cidade. Além disso, nos últimos meses, foram promulgados dois grandes projetos de lei regionais de transformação urbana: os Planos de Intervenção Vila Leopoldina e Jurubatuba.

A revisão da Lei de Zoneamento aguarda a sanção do prefeito após a aprovação na Câmara, em dezembro. A nova operação urbana, conhecida como Bairros do Tamanduateí, foi discutida na cidade por mais de 20 anos, remontando ao início dos anos 2000. O projeto busca reverter áreas subutilizadas, potencializando funções de centro metropolitano e promovendo maior oferta de moradia e emprego, além de solucionar problemas ambientais na região.

Fonte: Folha de S.Paulo

Fique bem informado sobre o mercado imobiliário através do canal do Portal VGV no WhatsApp. Siga já e receba nosso conteúdo em primeira mão: https://whatsapp.com/channel/0029Va8dBp9LI8YX1F7tpl22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV