Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Inflação em Novembro: IPCA Atinge 0,28%, Superando Expectativas

Compartilhar a notícia

Inflação em Novembro: IPCA Atinge 0,28%, Superando Expectativas

Na última divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) referente a novembro de 2023, o cenário econômico revela uma taxa de inflação de 0,28%, marcando um aumento de 0,04 ponto percentual em relação ao mês anterior. Esta elevação contribui para uma alta acumulada no ano de 4,04% e, nos últimos 12 meses, de 4,68%, ainda que abaixo dos 4,82% observados no mesmo período do ano anterior.

Dentre os principais protagonistas dessa movimentação, o setor de Alimentação e Bebidas desponta, apresentando a maior variação (0,63%) e um impacto significativo de 0,13 ponto percentual. Habitação e Transportes também contribuíram para o resultado, com incrementos de 0,48% e 0,27%, respectivamente. Vale destacar que, dentre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis apresentaram aumento de preços em novembro.

No âmbito regional, quatro áreas apresentaram variações negativas, com São Luís liderando a queda, influenciada pela diminuição de 3,92% nos preços da gasolina. Por outro lado, o Rio de Janeiro se destacou com a maior variação positiva (0,57%), impulsionada pelas altas nas passagens aéreas e na taxa de água e esgoto.

Análise Detalhada: Alimentação, Habitação e Transportes Sobressaem

O grupo Alimentação e Bebidas exerceu papel crucial na inflação de novembro, registrando um aumento de 0,63%. O segmento de alimentação no domicílio subiu 0,75%, impulsionado por altas expressivas em itens como cebola (26,59%), batata-inglesa (8,83%) e carnes (1,37%). Em contrapartida, tomate, cenoura e leite longa vida apresentaram quedas notáveis.

No setor de Habitação (0,48%), o destaque ficou para a elevação de 1,07% nos preços da energia elétrica residencial, impulsionada por reajustes em diversas regiões do país. O aumento de 0,29% no gás encanado também contribuiu para essa variação.

Já em Transportes (0,27%), a maior contribuição individual veio do aumento de 19,12% nos preços das passagens aéreas, enquanto os combustíveis apresentaram variações mistas, com alta no óleo diesel (0,87%) e no gás veicular (0,05%), e quedas na gasolina (-1,69%) e no etanol (-1,86%).

Esses dados reforçam a complexidade dos fatores que influenciam a dinâmica inflacionária brasileira, evidenciando a importância de análises detalhadas para compreender os impactos setoriais e regionais.

INPC Registra Alta de 0,10%: Consumidores de Baixa Renda Sentem Menor Pressão

Em paralelo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve uma alta de 0,10% em novembro, marcando uma desaceleração em relação ao mês anterior. Com uma perspectiva mais focada nas famílias de menor renda, o INPC acumula um aumento de 3,14% no ano e de 3,85% nos últimos 12 meses, abaixo dos 4,14% observados anteriormente.

No contexto do INPC, produtos alimentícios tiveram uma variação de 0,57% em novembro, enquanto produtos não alimentícios registraram uma leve queda de 0,05%. Cinco áreas apresentaram queda nos preços, com São Luís liderando a redução devido à diminuição nos preços da gasolina, enquanto o Rio de Janeiro se destacou com uma variação positiva, impulsionada pela alta na taxa de água e esgoto.

Esses indicadores oferecem uma visão abrangente das pressões inflacionárias no Brasil, evidenciando a necessidade de políticas econômicas cuidadosamente adaptadas para atender às diferentes realidades e necessidades da população. A análise detalhada dos dados continua sendo fundamental para uma compreensão mais completa e precisa do panorama econômico nacional.

Fonte: IBGE

___

Fique atualizado com o melhor da central de conhecimento do mercado imobiliário! Conheça cursos exclusivos e as melhores publicações do setor na banca VGV.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV