Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Copom anuncia redução da taxa Selic para 11,25% a.a.

Compartilhar a notícia

Em uma decisão unânime, o Comitê de Política Monetária (Copom) optou por reduzir a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, fixando-a em 11,25% a.a., durante a reunião realizada em janeiro de 2024. O cenário externo, marcado por volatilidade e debates sobre flexibilização monetária em economias-chave, influenciou a deliberação do Copom.

O ambiente global enfrenta pressões significativas, com a persistência de núcleos inflacionários elevados e a busca dos bancos centrais por convergência às metas de inflação. Essa realidade impõe cautela às economias emergentes, conforme destaca o Comitê.

No âmbito doméstico, os indicadores de atividade econômica confirmam a desaceleração prevista pelo Copom, enquanto a inflação mantém uma trajetória de desinflação. As expectativas de inflação para 2024 e 2025, apuradas pela pesquisa Focus, situam-se em torno de 3,8% e 3,5%, respectivamente.

As projeções do Copom para o cenário de referência indicam uma inflação de 3,5% em 2024 e 3,2% em 2025, com previsões para preços administrados em 4,2% e 3,8%, respectivamente.

O Comitê destaca a presença de riscos em ambas as direções, destacando pressões inflacionárias globais persistentes e uma resiliência maior do que o previsto na inflação de serviços como riscos de alta. Por outro lado, uma desaceleração econômica global mais acentuada e os impactos do aperto monetário sincronizado são apontados como riscos de baixa.

A conjuntura atual, caracterizada por um processo desinflacionário mais lento, expectativas parcialmente reancoradas e desafios globais, demanda moderação na condução da política monetária, enfatiza o Comitê.

A decisão de redução da taxa básica de juros visa promover a convergência da inflação para a meta ao longo do horizonte relevante, contribuindo também para suavizar flutuações na atividade econômica e fomentar o pleno emprego.

Em relação ao cenário fiscal, o Copom reitera a importância da execução das metas fiscais para ancorar as expectativas de inflação e manter a condução da política monetária. O Comitê ressalta a necessidade de perseverar com uma abordagem contracionista até a consolidação do processo de desinflação e a ancoragem das expectativas em torno das metas estabelecidas.

Antecipando novas reduções nas próximas reuniões, os membros do Copom acreditam que esse é o ritmo apropriado para sustentar o processo desinflacionário, considerando a evolução da dinâmica inflacionária, expectativas de inflação de longo prazo, hiato do produto e balanço de riscos.

Votaram por uma redução de 0,50 ponto percentual os membros: Roberto de Oliveira Campos Neto (presidente), Ailton de Aquino Santos, Carolina de Assis Barros, Diogo Abry Guillen, Gabriel Muricca Galípolo, Otávio Ribeiro Damaso, Paulo Picchetti, Renato Dias de Brito Gomes e Rodrigo Alves Teixeira.

O cenário de referência adotado pelo Copom incorpora a pesquisa Focus para a taxa de juros e considera a paridade do poder de compra para a taxa de câmbio. Além disso, hipóteses sobre o preço do petróleo e a bandeira tarifária foram incorporadas para embasar as projeções do Comitê.

Fonte: Banco Central

___

Fique bem informado sobre o mercado imobiliário através do canal do Portal VGV no WhatsApp. Siga já e receba nosso conteúdo em primeira mão: https://whatsapp.com/channel/0029Va8dBp9LI8YX1F7tpl22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV