Logo Grupo VGV horizontal
CONFIRA OS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO IMOBILIÁRIO | SELIC 10,75% (20/03/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL VENDA +0,64% (04/Abril/2024) | FIPEZAP+ RESIDENCIAL LOCAÇÃO +1,16% (16/Abril/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL VENDA +0,07% (22/03/2024) | IGP-M -0,47% (27/03/2024) | FIPEZAP+ COMERCIAL LOCAÇÃO +0,73% (22/Mar/2024) | IPCA 0,16% (10/04/2024) | INCC-M +0,24% (25/Mar/2024) | INCC-DI +0,28% (05/04/2024) | IVAR 1,06% (04/04/2024) |

Índice FipeZAP mantém ritmo de alta e avança 0,45% em setembro

Compartilhar a notícia

Com base no comportamento dos preços de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras, o Índice FipeZAP registrou um aumento de 0,45% em setembro de 2023, resultado próximo ao de agosto (+0,44%). O incremento mais expressivo se deu entre imóveis com um dormitório (+0,54%), contrastando com a alta relativamente menor no valor de unidades dotadas de dois dormitórios (+0,38%).
Índice-FipeZAP-mantém-ritmo-de-alta-e-avança-0,45%-em-setembro

Imagem de Freepik

Entre as capitais, Vitória, Maceió, João Pessoa, Goiânia e Florianópolis lideraram a valorização mensal

Análise do último mês

Com base no comportamento dos preços de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras, o Índice FipeZAP registrou um aumento de 0,45% em setembro de 2023, resultado próximo ao de agosto (+0,44%). O incremento mais expressivo se deu entre imóveis com um dormitório (+0,54%), contrastando com a alta relativamente menor no valor de unidades dotadas de dois dormitórios (+0,38%).

Comparativamente, o IGP-M/FGV exibiu uma inflação de 0,37% em setembro, enquanto a prévia do IPCA/IBGE, dada pelo IPCA-15/IBGE, destacou uma inflação ao consumidor de 0,35% no período.

Em termos de abrangência geográfica, a alta mensal nos preços residenciais foi observada em 43 das 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZAP de Venda Residencial, incluindo 14 das 16 capitais que integram essa lista: Vitória (+1,70%); Maceió (+1,25%); João Pessoa (+1,19%); Goiânia (+1,16%); Florianópolis (+1,13%); Manaus (+0,87%); Curitiba (+0,76%); Belo Horizonte (+0,65%); Campo Grande (+0,54%); São Paulo (+0,45%); Brasília (+0,45%); Salvador (+0,35%); Rio de Janeiro (+0,24%); e Porto Alegre (+0,13%). Contrapondo-se à tendência de valorização entre as capitais, houve recuo nos preços em Recife (-0,24%) e Fortaleza (-0,06%).

Balanço parcial de 2023

Com base nos últimos números, divulgados o Índice FipeZAP de Venda Residencial passa a acumular uma alta de 3,88% no balanço parcial de 2023%, superando a variação registrada pelo IGP-M/FGV no ano (-4,93%), bem como a inflação ao consumidor, calculada a partir do comportamento observado até agosto e a prévia de setembro do IPCA/IBGE* (+3,59%).

A valorização dos imóveis residenciais entre janeiro e setembro de 2023 foi compartilhada por 46 das 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZAP de Venda Residencial, incluindo todas as 16 capitais anteriormente mencionadas: Maceió (+12,61%); Goiânia (+10,00%); Florianópolis (+9,99%); Campo Grande (+9,68%); Manaus (+6,75%); Belo Horizonte (+6,65%); Salvador (+6,35%); João Pessoa (+6,31%); Fortaleza (C4,85%); Curitiba (+4,50%); Recife (+3,76%); São Paulo (+3,71%); Brasília (+1,16%); Vitória (+1,16%); Rio de Janeiro (+1,06%); e Porto Alegre (+0,26%).

Análise dos últimos 12 meses

O Índice FipeZAP acumula uma alta nominal de 5,29% nos últimos 12 meses encerrados em setembro de 2023, superando o comportamento do IGP-M/FGV (-5,97%) e, de forma marginal, a variação acumulada pelo IPCA/IBGE* (+5,28%) nesse intervalo temporal.

A valorização foi mais acentuada, também neste caso, entre imóveis residenciais com um dormitório (+6,60%), contrastando com a alta menos expressiva entre unidades com quatro ou mais dormitórios (+4,00%). Individualmente, 49 das 50 cidades acompanhadas registraram aumentos de preço, incluindo as seguintes capitais: Maceió (+17,62%); Campo Grande (+15,93%); Goiânia (+15,28%); Florianópolis (+13,05%); Manaus (+10,70%); Vitória (+8,26%); Recife (+8,15%); João Pessoa (+7,93%); Belo Horizonte (+7,66%); Curitiba (+7,10%); Fortaleza (+6,78%); Salvador (+5,67%); São Paulo (+5,16%); Porto Alegre (+1,37%); Rio de Janeiro (+1,23%); e Brasília (+0,54%).

Preço médio de venda residencial

Com base na amostra de anúncios de imóveis residenciais para venda em setembro de 2023, o preço médio calculado para as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZAP foi de R$ 8.622/m². Imóveis com um dormitório se destacaram pelo preço médio de venda relativamente mais elevado (R$ 10.179/m²), contrastando com o menor valor de unidades com dois dormitórios (R$ 7.750/m²).

Entre as capitais monitoradas, Vitória (ES) apresentou o valor médio por metro quadrado mais alto na amostra mensal (R$ 10.806/m²) seguida por São Paulo (R$ 10.575/m²); Florianópolis (R$ 10.556/m²); Rio de Janeiro (R$ 9.953/m²); Curitiba (R$ 8.930/m²); e Brasília (R$ 8.889/m²). Comparativamente, entre as capitais monitoradas com menor preço médio amostral, destacaram-se: Campo Grande (R$ 5.731/m²); João Pessoa (R$ 5.743/m²); Salvador (R$ 5.886/m²); Manaus (R$ 6.241/m²); e Porto Alegre (R$ 6.556/m²)

Nota: (*) informação de setembro/2023 corresponde à variação mensal do IPCA-15 (IBGE), adotado como uma prévia para inflação ao consumidor medida pelo IPCA (IBGE)

Fonte: Informe de Setembro de 2023 | Índice fipezap

——

Se você é proprietário de uma incorporadoraimobiliária ou até mesmo um(a) corretor(a) de imóveis e deseja saber as perspectivas para o mercado imobiliário do Brasil, assine gratuitamente o Boletim VGV e receba direto em seu e-mail as principais notícias e indicadores que impactam o setor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar a notícia

Veja mais

Foto por Pedro Ribeiro Segundo o Índice FipeZap, os preços de locação residencial no Brasil tiveram um aumento significativo de ...
O mercado imobiliário de São Paulo apresentou quase 16 mil transações de compra e venda de imóveis em Janeiro deste ...
Veja todas as regras do FGTS futuro e saiba os detalhes de como ele funciona nos financiamentos imobiliários ...
O estudo indica que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção apresentou crescimento de 2,8% no acumulado até ...
Será que podemos ter um novo boom imobiliário no Brasil? Dados recentes apontam venda recorde de novos imóveis, demanda por ...
Foto por Davi Costa No último mês de março, os índices de inflação no Brasil, tanto o IPCA (Índice Nacional ...
Ao mesmo tempo em que vive um bom momento de vendas, setor imobiliário precisa lidar com um entrave: a falta ...
O Índice Nacional de Custo da Construção – Disponibilidade Interna (INCC-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um dos ...
Foto por Leohoho O Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR) registrou um aumento de 1,06% em março de 2024, ...
Foto por Alex Caceres O mercado imobiliário brasileiro continua a apresentar sinais de dinamismo, com o Índice FipeZAP registrando um ...

Banca VGV