Imóveis: Sempre um bom negócio


Juros menores e prazos maiores nos financiamentos facilitam a aquisição


Se você ainda tinha alguma dúvida sobre as vantagens de investir em imóveis, a resposta do economista-chefe do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), Celso Petrucci, é certeira: "Investir em imóveis é sempre um bom negócio, por sua segurança e garantia de rentabilidade futura, seja com a valorização do bem, sejacom a locação da unidade, o que garante renda mensal", explica Petrucci. O economista também lembra que a legislação de locação evoluiu muito, garantindo o retorno do investimento.


O cenário imobiliário, com taxas de juros cada vez menores e prazos cada vez maiores, facilitando os financiamentos, também tem contrubuído para a aquisição de imóveis. No início de 2013, a Caixa Econômica Federal reduziu os juros para o financiamento de imóveis com valor acima de R$ 500 mil, oferecendo condições atrativas também para um público de média/alta renda. Os juros caíram para 9,4% ao ano, para clientes que não possuem relacionamento com o banco, e 8,4% para quem já tem vínculo com o banco.


Em comparação à renda fixa e à cardeneta de poupança, Petrucci orienta que o retorno do investimento em imóvel é de médio e longo prazos e uma forma diversa da poupança e da renda fixa.


"A segurança de aplicar em imóveis como investimento é muito grande. Mas vale ressaltar que o Secovi-SP não apoia o investimento em imóveis como especulação. Para esse fim, há o mercado de papeis. A especulação financeira com lastro no mercado de imóveis pode inflacionar os preços dos imóveis, e não é isso que o mercado quer", afirma.


Sobre as vantagens nas formas de aquisição, Petrucci explica que tanto comprar na planta, pagando as parcelas mensais, como comprar um imóvel pronto, à vista, são formas vantajosas, dependendo do que o investidor almeja com o negócio.


Dicas para escolha: Alguns detalhes podem fazer a diferença na escolha por um investimento imobiliário. É importante conhecer bem a região onde vai comprar. Saber se há projetos de infraestrutura (melhorias urbanas, estação de metrô, hospitais, shoppings), que possam valorizar o local.


Por fim, Celso Petrucci alerta: "Não se compra imóvel sem antes pesquisar, conversar com amigos e analisar as condições financeiras. O mais importante é que as parcelas do financiamento caibam no bolso. Não se pode esquecer também que em edifícios há o rateio de despesas entre os moradores e no momento de receber as chavez, existem despesas cartoriais e com a prefeitura. Tudo isso deve ser levado em conta antes da aquisição".

Comentários


Próximo evento

Congresso do Mercado Imobiliário do Mato Grosso do Sul

O mercado imobiliário pós-retomada econômica

Faltam:

Garanta Aqui

CONFIRA AS EDIÇÕES ANTERIORES

Saiba como foi

BANCA VGV


Adquira guias completos do mercado imobiliário da sua região. Tenha em suas mãos tudo o que precisa para vender mais.


saiba mais

Patrocínio Institucional