Hello world!

A jornada híbrida e suas consequências


Dúvida que tem intrigado empregados e o empresariado nacional e internacional é o que acontecerá, depois de passada a crise do coronavírus, como consequência do trabalho remoto. De fato, o isolamento social decretado em todo o Brasil, em 14 de março de 2020, logo em seguida da declaração do estado de pandemia pela OMS, provocou a retirada total dos empregados do local de trabalho e a consequente paralisação da economia. A nova realidade, entretanto, logo daria lugar a um novo formato de trabalho: o home office.

 

Nossos políticos e empresários logo perceberam que, além de impossível, pelo desabastecimento que provocaria nos grandes centros urbanos, a paralisação total da economia representaria a falência do país. Algo precisava ser feito. Setores da economia considerados essenciais, como transporte, abastecimento, alimentação e indústria (inclusive a imobiliária) teriam de continuar funcionando. Mas como fazê-lo sem que funcionassem as atividades administrativas de apoio e controle? Os escritórios precisavam voltar a funcionar.

 

Porém o risco de contração do vírus continuava imanente. O distanciamento social era imperativo. A solução seria fazer com que parte dos empregados trabalhassem em casa. Mas no país do “jeitinho”, baseado no brocardo popular de que “o olho do dono é que engorda o boi”, poucos empresários acreditavam na efetividade do trabalho remoto, longe dos olhos do chefe. Todavia, sem alternativas, tiveram de aceitá-lo. A experiência mostrou-se surpreendente. A produtividade do home office, em muitos casos, era bem maior que a do trabalho presencial.

 

O trabalho remoto tem o condão de oferecer maior liberdade. Os trabalhadores podem organizar suas próprias rotinas e satisfazer melhor suas necessidades pessoais. Há pessoas que fumam, mas não podem fazê-lo no escritório coletivo. Outras têm o hábito de demorar na toalete. Há ainda quem goste de trabalhar ao som de música, o que pode atrapalhar quem não goste. Enfim, o trabalho em casa permite a personalização do modus vivendi durante o expediente. Isso, ao contrário de prejudicar, pode aumentar muito a produtividade.

 

O home office, entretanto, não é para todos. Estudos no Brasil afirmam que apenas cerca de 23% dos nossos trabalhadores, em média, podem realizar satisfatoriamente o trabalho a distância. Esse percentual é maior nas regiões leste, sul e sudeste, e menor nas regiões norte e nordeste. Depende das características de cada atividade, bem como do grau de avanço no uso da tecnologia, na região e na empresa.

 

Considerando o percentual potencial para o trabalho em casa, não há como ignorar a importância dos escritórios presenciais. Eles ainda mantêm o condão de promover colaboração, inovação e criatividade, assim como de atrair e reter talentos. Por outro lado, a atividade remota veio para ficar, ainda que em percentual limitado. Hoje, inclusive, já se tem muito claro sua dinâmica híbrida. A boa produtividade exige uma mescla de trabalho remoto com presencial, a fim de promover a interação dos empregados. A boa notícia é que os escritórios físicos continuarão sendo alugados ou comercializados, para o bem da economia e do mercado imobiliário.

 

João Teodoro da Silva

Presidente – Sistema Cofeci-Creci – 24/JAN/2021


Portal VGV

Portal VGV

Comentários


Próximo evento

Semana da Incorporação Imobiliária

Conheça todas as etapas para realizar uma incorporação imobiliária

Garanta Aqui

CONFIRA AS EDIÇÕES ANTERIORES

Saiba como foi

BANCA VGV

Fique atualizado com o melhor da central de conhecimento do mercado imobiliário! Conheça cursos exclusivos e as melhores publicações do setor.

Confira a banca completa

Patrocínio Institucional