Hello world!

Cidades Inteligentes ­— por João Teodoro da Silva


A história nos conta que a internet foi criada nos idos de 1969, nos Estados Unidos, com o nome de Arpanet. O primeiro e-mail foi passado de um professor da Universidade da Califórnia para um seu amigo em Stanford. Seu objetivo era interligar laboratórios de pesquisa por razões militares. O mundo vivia o auge da chamada “guerra fria”. O Departamento de Defesa norte-americano, a quem a rede pertencia, temia ficar sem comunicação com os cientistas em caso de bombardeio. A partir de 1982, já com o nome de internet, a novidade tornou-se comum no meio acadêmico, nos EUA e em alguns países europeus.

O uso comercial da rede, no entanto, só seria liberado a partir de 1987, nos Estados Unidos. Em 1992, surgiram as primeiras empresas provedoras de acesso à rede. Nesse mesmo ano, foi criada, pelo Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), a World Wide Web, que passou a ser utilizada para difundir informações para qualquer usuário da internet. Hoje, a rede tem cerca de 4,5 bilhões de usuários em todo o mundo. O crescimento da internet, por sua vez, impulsionou o avanço tecnológico. A tecnologia tornou-se ponto central de qualquer projeto inovador.

O conceito de cidades inteligentes não é novo. Mas revigorou-se com o conceito de inteligência artificial. Muitos projetos têm sido elucubrados mundo afora. Todavia, com o advento da pandemia, o conceito ganhou mais força, na medida em que seus desenvolvedores passaram a concentrar-se em soluções baseadas na nova realidade. A expectativa, sombria, é de que por muitos anos, talvez para sempre, conviveremos com o coronavírus e com outros que surgirão. Por isso, as cidades terão de estar preparadas para esse novo modus vivendi.

Falar em cidades inteligentes é falar em tecnologia das coisas (IoT), conceito que discutiremos em artigo futuro. Por isso, procurei conhecer uma organização chamada ABINC – Associação Brasileira de Internet das Coisas. Por meio dela descobri o conceito “Cidade 15 Minutos”. Segundo Aleksandro Montanha, presidente do Comitê das Cidades Inteligentes da ABINC, com a pandemia, aplicações que “efetivamente resolvem a vida dos cidadãos foram muito aceleradas”.

O projeto Cidade 15 Minutos busca reorganizar centros urbanos a fim de atender a demandas de microrregiões. Projetos dessa natureza vêm sendo pensados e executados em várias metrópoles brasileiras, sem alarde, chamados simplesmente projeto de revitalização. A ideia básica é que todo tipo de atendimento, público e privado, possa ser resolvido em até 15 minutos. Seriam evitadas aglomerações em transporte público e possibilitaria a criação de mais áreas seguras de circulação, sem automóveis, com calçadões e ciclovias.

Tais projetos, se tornados realidade, provocarão grande virada no mercado imobiliário. Se orientados para bairros inteligentes, autônomos, afetarão fortemente a indústria veicular, os serviços de transporte, a infraestrutura e outros. Em alguns países, inclusive Brasil, já se veem redes de supermercados e farmácias pulverizando-se em lojas de pequeno porte para ficarem mais próximas da clientela. O governo brasileiro, atento, lançou nesta semana a carta brasileira “Cidades Inteligentes”. Falarei sobre ela em próximo artigo.


João Teodoro da Silva
Presidente – Sistema Cofeci-Creci – 30/JAN/2021

Portal VGV

Portal VGV

Comentários


Próximo evento

Semana da Incorporação Imobiliária

Conheça todas as etapas para realizar uma incorporação imobiliária

Garanta Aqui

CONFIRA AS EDIÇÕES ANTERIORES

Saiba como foi

BANCA VGV

Fique atualizado com o melhor da central de conhecimento do mercado imobiliário! Conheça cursos exclusivos e as melhores publicações do setor.

Confira a banca completa

Patrocínio Institucional