Hello world!

Vendas e lançamentos de imóveis novos crescem em junho na capital brasileira


Um total de 2.984 unidades residenciais novas foi vendido em junho na cidade de São Paulo. O resultado mostrou-se 24,1% maior que o do mês anterior (2.405 unidades), mas 56% abaixo das vendas de junho de 2019 (6.789 unidades). As vendas no primeiro semestre apresentaram queda de 14%, na comparação com o mesmo período do ano passado.


Os dados são do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). No acumulado de 12 meses até junho, às 46.480 unidades comercializadas representaram um aumento de 23,7% em relação ao mesmo período anterior, quando foram negociadas 37.569 unidades.


Lançamentos 


Na cidade de São Paulo foram lançadas em junho 2.015 unidades residenciais, 28,3% a mais que em maio (1.570 unidades), e 79,9% abaixo do total de junho de 2019 (10.002 unidades). Na comparação do primeiro semestre com igual período do ano passado, a queda foi de 50%, segundo a Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio).


No acumulado de 12 meses até junho, os lançamentos na capital paulista somaram 54.740 unidades, 12,3% acima das 48.751 unidades lançadas no mesmo período anterior.


Oferta e destaques 


A capital paulista encerrou o mês de junho com a oferta de 31.225 unidades disponíveis para venda – quantidade de oferta 3,7% inferior à registrada em maio de 2020 (32.438 unidades), e 31,8% acima daquela de junho do ano passado (23.691 unidades). Esta oferta é composta por imóveis na planta, em construção e prontos (estoque), lançados nos últimos 36 meses (julho de 2017 a junho de 2020).


Os imóveis de 2 dormitórios destacaram-se no mês de junho em todos os indicadores: vendas (2.044 unidades), oferta (17.894 unidades), Valor Global de Venda (R$ 584,7 milhões), Valor Global de Oferta (R$ 5,6 bilhões), lançamentos (1.231 unidades) e no índice Venda Sobre Oferta (10,3%), resultado das 2.044 unidades comercializadas em relação aos 19.938 imóveis ofertados.


Imóveis com menos de 45 m² de área útil lideraram em vendas (2.001 unidades), oferta (20.248 unidades), VGV (R$ 454,8 milhões), VGO (R$ 4,7 bilhões) e lançamentos (1.222 unidades). O maior VSO (9,9%) foi percebido nos imóveis com área entre 45 m² e 65 m².


Os imóveis com valor de até R$ 240 mil lideraram os indicadores de vendas (1.633 unidades), oferta final (15.265 unidades), maior VSO (9,7%), maior VGV (R$ 310,1 milhões) e maior quantidade de lançamentos (1.009 unidades). Os imóveis com preços superiores a R$ 1,5 milhão tiveram o maior VGO (R$ 5,2 bilhões).


Minha Casa


No mês de junho, 1.588 unidades vendidas e 854 unidades lançadas foram enquadradas como econômicas (programa Minha Casa, Minha Vida). A oferta totalizou 15.024 unidades disponíveis para venda, com VSO de 9,6%.


No segmento de mercado de médio e alto padrão, a pesquisa identificou 1.396 unidades vendidas, 1.161 unidades lançadas, oferta final de 16.201 unidades e VSO de 7,9%.


“Esta pandemia, entre outros aspectos, mostrou a importância do imóvel para a segurança das famílias, muito além de seu benefício patrimonial e econômico”, comenta Basilio Jafet, presidente do Secovi-SP.


Para Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP, para o aumento das vendas pelo segundo mês consecutivo contribuiu a “tendência de retomada da vida dentro de um novo normal”.


Fonte: https://sindusconsp.com.br/vendas-e-lancamentos-de-imoveis-novos-crescem-em-junho-na-capital-paulista/



Portal VGV

Portal VGV

Comentários


Próximo evento

Congresso do Mercado Imobiliário da Bahia

O mercado imobiliário pós-retomada econômica

Faltam:

Garanta Aqui

CONFIRA AS EDIÇÕES ANTERIORES

Saiba como foi

BANCA VGV

Fique atualizado com o melhor da central de conhecimento do mercado imobiliário! Conheça cursos exclusivos e as melhores publicações do setor.

Confira a banca completa

Patrocínio Institucional