NEWSLETTER    RECEBA SEMPRE EM PRIMEIRA MÃO NOSSO CONTEÚDO

Hello world!

Construção civil avança e recupera o otimismo

Uma delegação de empresários brasileiros esteve no Azerbaijão, ex-território soviético na região do Cáucaso, para vender otimismo e centenas – talvez milhares – de opções de investimento no Brasil.


O objetivo principal foi mostrar aos investidores locais que existem grandes janelas de oportunidades, especialmente depois da recessão econômica dos últimos anos que deixou o Brasil mais barato em relação aos principais países emergentes.


Quase no fim da turnê, a viagem ganhou um sabor especial para Flavio Amary, presidente do Secovi-SP, maior sindicato da habitação do Brasil. Ele recebeu, em primeira mão, os números que comprovam o reaquecimento da indústria da construção civil.


Pelos cálculos do Secovi, as vendas em março alcançaram 2.613 unidades residenciais novas na capital paulista. O resultado representa alta de 80,5% em relação às 1.448 unidades comercializadas no mês anterior. Comparado ao volume de 1.233 imóveis comercializados em março de 2017, o crescimento foi de 111,9%.


“Esse desempenho mostra que a recuperação do setor está em curso, impulsionada por medidas macroeconômicas acertadas que estimulam a confiança e criam um momento de oportunidades”, afirmou Amary ao Diários Associados. “Reação semelhante também foi observada em diversas regiões do país, com impactos em diferentes segmentos.”


Em todo o Brasil, ainda pelos dados do Secovi, no acumulado de 12 meses (março de 2017 a fevereiro de 2018) foram comercializadas 25.349 unidades, um aumento de 60,4% comparado ao mesmo período de 2017, quando as vendas totalizaram 15.804 unidades.


O mercado imobiliário nacional, segundo Celso Pertrucci, presidente da Comissão da Indústria Imobiliária da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), terá expansão de 10% em lançamentos e vendas neste ano. “Se a reforma da Previdência tivesse sido aprovada, teríamos expectativa ainda mais otimista”, diz Petrucci.


Em 2017, os lançamentos de imóveis aumentaram 5,2% na comparação com o ano anterior, para 82.343 unidades, segundo a CBIC. As vendas cresceram 9,4%, para 94.221 unidades. Por região, foram registradas altas no Nordeste (29%), Centro-Oeste (22,7%) e Sudeste (7%). Na região Norte, as vendas tiveram queda de 30,9%. No Sul, a retração foi de 4,5%.


Confiança 


De fato, em grande parte do país, mesmo que não apresentem desempenho proporcional aos números de São Paulo, é visível uma recuperação, alimentada especialmente por uma percepção generalizada de melhoria do ambiente de negócios.


De acordo com o Índice de Confiança da Construção (ICST), elaborado pela FGV/Ibre, o ritmo de expansão acompanha o cenário já observado no fim de 2017, que fechou em 81,1 pontos. Trata-se do maior nível desde janeiro de 2015.


Segundo a coordenadora de Projetos de Construção da Fundação Getúlio Vargas, Ana Maria Castelo, os resultados do primeiro trimestre de 2018 mostram que a confiança do setor está aumentando para fechar março com alta relevante, aos 82,1 pontos.


“O crescimento da economia deve melhorar o crédito para a indústria avançar e o contexto político será muito importante para essa retomada, já que os efeitos da Lava-Jato abalaram a confiança nacional”, disse.


Os números são positivos não apenas no segmento de vendas de imóveis novos, como também no de usados e de aluguéis, segundo o presidente do grupo Zap Viva Real, Lucas Vargas. Para ele, a queda das taxas de juros e a restauração das linhas de crédito para a compra da casa própria, especialmente com o aumento do limite de financiamento da Caixa de 50% para 80%, estão reaquecendo o mercado.


“Tradicionalmente, o setor da construção demora mais tempo para se recuperar de crises, já que os ciclos, do lançamento do empreendimento até a entrega das chaves, são mais longos”, afirma Vargas. “Mas estamos confiantes que esse crescimento irá se manter pelos próximos meses.”


Uma pesquisa feira pelo Zap Viva Real mostra também uma reversão na queda de preços dos imóveis – um termômetro claro de aumento da demanda. De acordo com o levantamento, os preços das unidades residenciais, que perderam feio para a inflação em 2015 e 2016 (com quedas reais de 8,5% e 5,5%), passaram a cair apenas 3,3% a partir de 2017, e no primeiro trimestre de 2018 diminuíram o ritmo de queda real para os 2,5% anuais.


A queda tem variado entre cidades, sendo ainda puxada pelo Rio de Janeiro, onde os preços encolheram nominalmente 4,9% nos últimos 12 meses em decorrência da crise que afeta do estado. Em São Paulo, houve aumento nominal de preços de 1,5% no mesmo período. Florianópolis foi a estrela dos últimos 12 meses, com crescimento de preços nominal de 5,3%.


Locação


No front de locação, os números de 2018 são animadores para os proprietários de imóveis. Apenas nos primeiros dois meses os preços de aluguéis residenciais da cidade de São Paulo aumentaram nominalmente 2,3%, bem acima do IPCA de 0,7% e do IGPM de 1,5% no mesmo período.


Altas expressivas nos valores nominais de aluguel residencial no primeiro bimestre de 2018 também foram verificadas em Goiânia (4,0%), Salvador (3,8%), Florianópolis (3,4%) e Recife (2,9%). Detalhe: os preços de aluguel residencial vinham caindo mais do que os preços de venda.


Para o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz Antonio França, o setor imobiliário conseguirá crescer de forma robusta quando houver a definição de um marco regulatório para os chamados distratos, como são chamados os casos em que o comprador desiste do imóvel e recebe de volta até 90% do valor pago. “Esse problema é como um câncer no setor e precisa ser combatido”, afirma França.


“Em três anos, os distratos geraram 1 milhão de demissões”. Nas próximas semanas, espera-se que a Câmara dos Deputados vote a o Projeto de Lei que poderá definir novas regras para o setor. “Com mais clareza e segurança jurídica, o mercado tem tudo para crescer de maneira consistente”, diz França.


Entrevista/Flavio Amary – A retomada está em curso


Existem sinais claros de recuperação do setor da construção?


O setor começou a apresentar ligeira reação já a partir do início do segundo semestre, e mais intensamente nos últimos três meses do ano passado em São Paulo. O mês de dezembro encerrou 2017 com resultados que surpreenderam os mais otimistas analistas do mercado. Reação semelhante também foi observada em diversas regiões do país, com impactos em diferentes segmentos, de acordo com a característica própria e a atividade econômica de cada uma delas.

 

Como o mercado tem reagido em 2018?


Outro sinal importante é que o movimento ascendente se manteve no primeiro trimestre de 2018, período geralmente marcado pela sazonalidade de início de ano e por fatores atípicos que costumam impactar a visitação aos estandes de vendas. Esse desempenho mostra que a recuperação do setor está em curso, impulsionada ainda por medidas macroeconômicas acertadas que estimulam a confiança e criam um momento de oportunidades.

 

Que fatores impedem um crescimento mais acelerado?


Para consolidar a retomada do setor, é indispensável a manutenção da política monetária, do atual patamar da taxa básica de juros, do controle da inflação e dos ajustes nas contas públicas, por meio das necessárias reformas estruturais, momentaneamente suspensas. Além disso, apesar de não acompanhar o ritmo de reação de outros indicadores, o emprego é fundamental para que haja crescimento econômico.

 

A Copa do Mundo e as eleições deste ano exercem influência sobre o setor?


São eventos que alteram a rotina do consumidor e atingem diretamente nossas atividades. Em dias de jogos da seleção ou de votação, a visitação aos estandes de vendas diminui sensivelmente, interferindo no volume de vendas. Apesar disso, como o segundo semestre tradicionalmente é um período mais positivo para o mercado, acreditamos que eventuais interferências serão superadas.

 

Qual a previsão de crescimento das vendas para 2018 e 2019?


Com base nas expectativas dos empresários do setor imobiliário e em dados do Boletim Focus, do Banco Central, é possível estimar para este ano um crescimento nas vendas de 5% a 10% em relação a 2017. Quanto aos lançamentos, a estimativa é que poderão ficar próximos aos números do ano passado, com maior diversificação dos produtos ofertados.

 

O Brasil tem alguma chance de diminuir o seu déficit habitacional?


Em 2016, o Secovi-SP encomendou estudo à Fundação Getúlio Vargas que constatou que serão necessários 14,55 milhões de novos domicílios no período de 2015 a 2025 para suprir a demanda habitacional. Isso significa que o setor teria de lançar, neste intervalo de tempo, 1,5 milhão de unidades ao ano no Brasil. Portanto, há uma importante demanda a ser atendida e a indústria imobiliária tem buscado trabalhar para suprir pelo menos parte desta necessidade futura.

 

https://scacca.com.br/construcao-civil-avanca-e-recupera-o-otimismo/

 



Portal VGV

Portal VGV

Comentários


Próximo evento

Congresso do Mercado Imobiliário da Região dos Lagos

Novos rumos para a produção de moradias

Faltam:

Garanta Aqui

CONFIRA AS EDIÇÕES ANTERIORES

Saiba como foi

BANCA VGV


Adquira guias completos do mercado imobiliário da sua região. Tenha em suas mãos tudo o que precisa para vender mais.


saiba mais

Patrocínio Institucional

NEWSLETTER    RECEBA SEMPRE EM PRIMEIRA MÃO NOSSO CONTEÚDO