NEWSLETTER    RECEBA SEMPRE EM PRIMEIRA MÃO NOSSO CONTEÚDO

Hello world!

Habitação prejudicada


Desde 31 de dezembro de 2018, as construtoras de unidades habitacionais no Programa Minha Casa, Minha Vida não podem mais utilizar o Regime Especial de Tributação (RET), pelo qual recolhiam IRPJ, Cofins, PIS/Pasep e CSLL à alíquota unificada de 1%.


Graças ao RET foi possível viabilizar financeiramente a construção de centenas de milhares de moradias destinadas à população de baixa renda. Em 2018, a construção de milhares de empreendimentos do programa Minha Casa foi contratada, com orçamentos prevendo a renovação da alíquota de 1%.


Mas o regime não foi renovado e agora as construtoras precisarão tributar suas receitas pelo lucro real ou presumido, cuja alíquota pode variar de 5,93% até 6,73%. As incorporadoras ainda poderão recolher pelo RET, mas com alíquota de 4%.


Ou seja, os contratos ficaram desequilibrados. Há risco de muitas obras serem paralisadas ou sequer terem início. Projetos de empreendimentos voltados à população de baixa renda serão deixados de lado.


Há ao menos duas alternativas à vista. A primeira seria o governo estender a vigência do RET, mantendo os contratos em vigor equilibrados e dando uma diretriz em relação àqueles firmados a partir de 1/1/2019.


A outra possibilidade está na aprovação do Projeto de Lei de Conversão 33/18 à Medida Provisória 852/18. O projeto, que aguarda votação no plenário da Câmara para depois seguir ao Senado, estabelece acertadamente que as construtoras de unidades habitacionais de até R$ 100 mil dentro do programa Minha Casa, cujas obras tenham sido contratadas ou iniciadas até 31/12/2018, poderão optar pela alíquota de 1%. A partir de 1/1/2019, para as obras de unidades de até R$ 144 mil, iniciadas ou contratadas até 31/12/23, haverá a opção pela alíquota de 4%.


Apenas seria conveniente que o texto final não deixe dúvidas de que essas regras também se aplicarão às incorporadoras imobiliárias e terão efeito retroativo, evitando-se uma eventual cobrança pelo lucro real ou presumido até a data da edição da lei.


Aprovadas, essas medidas viabilizariam a contratação da construção de centenas de milhares de moradias destinadas à população de baixa renda, mitigando o déficit habitacional e gerando expressivo volume de emprego.



Portal VGV

Portal VGV

Comentários


Próximo evento

Congresso do mercado imobiliário de Santa Catarina

O mercado imobiliário pós-retomada econômica

Faltam:

Garanta Aqui

CONFIRA AS EDIÇÕES ANTERIORES

Saiba como foi

BANCA VGV


Adquira guias completos do mercado imobiliário da sua região. Tenha em suas mãos tudo o que precisa para vender mais.


saiba mais

Oferecimento

Patrocínio Institucional

NEWSLETTER    RECEBA SEMPRE EM PRIMEIRA MÃO NOSSO CONTEÚDO