União, Estado e movimentos pró-moradia se reúnem para tratar do Programa “Minha Casa Minha Vida” em São Paulo

portalvgv 20/10/2009 1
Encontro na sede da CDHU contou com a presença do secretário de Estado da Habitação, Lair Krähenbühl, da secretária Nacional de Habitação, Inês Magalhães, e representantes de 24 entidades

(da esq. para dir.) Deputado Estadual, Ênio Tatto, secretário estadual de Habitação, Lair Krähenbühl, secretária Nacional de Habitação, Inês Magalhães e osecretário-adjunto estadual de Habitação, Ulrich Hoffman, em reunião com movimentos pró-moradia em São Paulo na segunda, 19. Foto: Clóvis Deangelo

(da esq. para dir.) Deputado Estadual, Ênio Tatto, secretário estadual de Habitação, Lair Krähenbühl, secretária Nacional de Habitação, Inês Magalhães e osecretário-adjunto estadual de Habitação, Ulrich Hoffman, em reunião com movimentos pró-moradia em São Paulo na segunda, 19. Foto: Clóvis Deangelo

O secretário de Estado da Habitação e presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), Lair Krähenbühl, reuniu-se nesta segunda-feira, dia 19, em São Paulo, com a secretária Nacional da Habitação do Ministério das Cidades, Inês Magalhães, e representantes de 24 movimentos pró-moradia para estudarem soluções que viabilizem a inclusão de projetos habitacionais na Região Metropolitana de São Paulo no Programa “Minha Casa Minha Vida – Entidades”. “Convocamos essa reunião para que os movimentos de moradias exponham as dificuldades que estão encontrando para participar do programa e ver onde o Governo do Estado pode ajudar”, disse o secretário Lair Krähenbühl. O deputado estadual Ênio Tatto também esteve presente à reunião.

Segundo os movimentos de moradia, o valor disponibilizado pelo Programa “Minha Casa Minha Vida – Entidades” é insuficiente para a inclusão no programa de projetos na Região Metropolitana de São Paulo, devido principalmente ao alto custo dos terrenos. Além do valor, há muita dificuldade por parte das entidades na elaboração de projetos e em conseguir as aprovações necessárias. O secretário Lair Krähenbühl se dispôs a discutir com a Caixa Econômica Federal uma forma de aporte por parte do Estado para complementar o valor padrão do programa. “Não é possível um valor padrão para todo o Brasil, precisa haver uma diferenciação para as regiões metropolitanas”. O secretário também colocou a estrutura técnica da CDHU à disposição dos movimentos para ajudar nas fases de projeto e aprovações dos empreendimentos.

Entidades que tiveram representantes presentes à reunião:

AMOUIT
FLM – Frente de Luta por Moradia
MSTSMP – Movimento Sem terra de São Miguel Paulista
MTTT – Movimento Terra de Deus, Terra de Todos
UMM – União Movimento Moradia
ALA – Associação Moradores da Cidade Líder em Ação
CMP – Central de Movimentos Populares
Associação 15 de Novembro
Associação Mauá
FACESP – Federação de Associações de Comunidades de São Paulo
Sociedade Beneficente Vida e Esperança
Associação Fazenda do Carmo
MNLP – Movimento Nacional de Luta pela Moradia
CCJ
MDP
Pró-moradia Taboão da Serra
FIMAPROM
CCECAS
União dos Moradores das Vilas Antonio dos Santos, União e adjacências
MPM – Movimento Pró-moradia Itaquaquecetuba
Associação de Mulheres pela Moradia
Consehab

1 Comentário »

  1. Elias de Santana 23/09/2012 às 18:49 -

    por favor- sou da associação (ala) da cidade lider em ação-foi ganho nossa licitação dos apartamentos no Ermelino matarazzo. Me parece que está avendo problema para começar a construção. o que esta acontecendo que não começa a obra?

Comente esta notícia »